Hoje fiz a primeira trafega da Pitoresca, a fermentação primária praticamente terminou, agora em novo tanque ela finaliza e logo depois começa a decantar o fermento. Em alguns dias vai para o envase refermentar na garrafa.

Enquanto isso preparo outro lote da Simples. Essa receita já recebeu duas variações, uma com malte Biscuit e outra com malte Ruby. Hoje é a vez do malte Chocolate, um malte torrado que confere aromas e sabores bastante complexos para as cervejas. Como a receita da Simples é de uma cerveja de baixo corpo, a complexidade ficará mais por conta das primeiras impressões de aroma e sabor, fazendo com que o retrogosto seja mais rápido.

Isto acontece justamente pelo baixo corpo, por ser seca. Corpo é o açúcar residual na cerveja, é aquela sensação de ser uma cerveja ‘encorpada’, ou seja, mais licorosa. Algumas pessoas pensam que cervejas encorpadas são doces, mas não é bem assim, afinal utilizamos lúpulo, uma flor amarga que equilibra o dulçor e auxilia na conservação da bebida.

Aqui está uma foto de uma etapa da mostura, a 65 graus o amido é convertido em açúcares fermentáveis. Esse chá será depois filtrado e fervido para esterilização e adição de lúpulo. Depois resfriado e enviado para o fermentador. Ali o fermento ‘come’ os açúcares e devolve álcool e gás carbônico, transformando o chá em cerveja.