Glossário cervejeiro, um pouco a mais do que siglas, mais um, só que tentando falar em português. É um artigo dinâmico que será aumentado e corrigido conforme a necessidade e tempo.

De forma simplificada a produção de cerveja tem dois grandes momentos, o processo quente # e o processo frio *, que podemos dividir em Brassagem e Fermentação. Algumas siglas abrangem todo processo de produção, quente e frio. Vou identificar primeiramente as siglas e conceitos nestes dois momentos, mais pra frente vamos avançando os tópicos se for necessário.

#* Quente e Frio

  • IBU – International Biterness Unit – Índice Internacional de Amargor – É basicamente um índice que indica quanto de resinas de amargor do lúpulo adicionado ao mosto foi isomerizado. Este índice não indica o quanto uma cerveja é amarga, porque isso depende de outros fatores, o mais básico deles é a quantidade de açúcares residuais na cerveja. Uma cerveja com IBU alto e com residual alto de açúcar pode ‘ser’ menos amarga que uma cerveja com IBU baixo e sem nenhum açúcar residual.
  • EBC – European Brewing Convention – Essa convenção construiu uma escala de cores dedicada ao malte e à cerveja. O malte ‘ganha’ cor no processo de secagem e torrefação. O malte não é branco, então essa escala de cores segue pela linha do ‘amarelo’, indo o amarelo pálido bem clarinho, passando pelo avermelhado, castanho (marrom) até o preto. Essa cor do malte é o fator predominante para construção da cor da cerveja. No malte vamos de 1 a 1500EBC, na cerveja de 4 a 79.
  • SRM – Standard Reference Method – Basta dividir o EBC por 1,97 e obtemos esse índice. O significado é o mesmo.
  • Brix – Medida em percentual da densidade. Indica a quantidade de sólido no líquido, o que no caso do mosto cervejeiro é basicamente a quantidade de açúcares. Um Brix 10% indica por exemplo 100 gramas de açúcares para cada litro de mosto, ou 10 gramas de açúcares para cada 100 mililitros de mosto. Serve também para saber a quantidade de açúcar residual na cerveja.
  • Plato – A mesma ideia de Brix, mas essa escala leva em consideração outros fatores e facilita ter a medida mais isolada dos açúcares conforme aumenta a concentração de álcool no mosto.

# Quente

  • Lovibond – Degrees Lovibond (ºL) – De 1 pra 1 com o SRM.
  • OG – Original Gravity – Densidade Inicial –  É a medida da densidade do mosto cervejeiro que entra no fermentador. Essa medida indica basicamente a quantidade de açúcares presentes no mosto. As leveduras, fermento, consomem açúcar e transformam ele basicamente em álcool e gás carbônico. Medida em Densidade Específica, Brix, Plato.
  • Eficiência – Este índice é utilizado no processo cervejeiro principalmente para sabermos quanto de açúcar obtivemos para cada quilo de malte utilizado. Cada malte possui um potencial de fornecer açúcares, os maltes base por exemplo possuem mais poder do que os maltes especiais que são mais agentes de sabor e aroma. O índice de eficiência basicamente é uma relação entre o potencial e a medida de litros de mosto com sua densidade inicial. Aqui no site tem uma fórmula para baixar e utilizar facilitando a conta.
  • Turbid Mash – Processo de obtenção de Mosto Turvo, ou seja, que possui muito mais do que água e açúcares como nos processos mais usuais. Este tipo de mosto carrega consigo, por exemplo, amido e muitos açúcares complexos, o que é muito importante para produção de cervejas no estilo Lambic, aquelas de fermentação espontânea ou selvagem. Produzi um vídeo amador para ilustrar isto.
  • Brassagem – A parte quente do processo cervejeiro, ou basicamente a parte em que ‘construímos’ o mosto cervejeiro que dará origem a uma cerveja no processos de fermentação. É o momento da produção em que o cervejeiro mais influencia no resultado.
  • Poder diastático do malte – Basicamente é uma medida de capacidade de um malte converter amido em açúcar. Quanto mais enzimas o malte tem, maior a quantidade de amido que ele consegue converter através das amilases, processos químicos de quebra de moléculas de amido em moléculas menores, basicamente açúcares. Maltes com grande poder diastático conseguem converter o seu amido e ainda amidos de ‘adjuntos’ adicionados à receita.
  • Potencial do malte – Basicamente o quanto ele possui de amido disponível que pode ser convertido em açúcares. Porque amido muito torrado, por exemplo, não é convertido em açúcar.

* Frio

  • FG – Final Gravity – Densidade Final – Quando as leveduras consomem os açúcares do mosto cervejeiro a densidade do líquido cai, temos então outra densidade, a final. Medida em Densidade Específica, Brix, Plato. Quando a medida é Brix ou Plato há a necessidade de calcular a medição, porque há uma distorção visual da medida em decorrência do álcool e do CO2 presentes na cerveja.
  • ABV% – Alcohol by Volume – É o percentual de álcool na cerveja calculado pelo volume que ele representaria se fosse isolado. Para saber quantos mililitros de álcool tem no volume que você está bebendo, basta multiplicar o percentual pelo volume. Por exemplo, uma garrafa de 600ml com ABV 5%. Então 600ml * 5% = 30ml
  • BU:GU – Bitterness Units dividido por Gravity Units – Relação entre Unidades de amargor e Densidade da cerveja, justamente importante porque o ‘Amargor’ que sentimos depende não apenas de quanto de resinas amargas foram isomerizadas, incorporadas no mosto em sua produção. A quantidade de açúcar residual e álcool, por exemplo, influenciam na percepção. Outro exemplo é a quantidade de maltes torrados, que aumentam a sensação do amargor na cerveja.
  • Atenuação – A quantidade de açúcares do mosto inicial consumidos pelas leveduras, fermento. A atenuação indica por exemplo a capacidade de um fermento produzir álcool, ou mesmo se a fermentação do seu mosto ocorreu bem na sua fermentação.