Comecei nesse dia 23 de dezembro a minha brassagem número 31 desse ano de 2011, iniciei a 00:00 hora do dia, pois já estava com os maltes pesados e moídos (esses maltes). Estou preparando uma receitinha com um pitaco de malte de trigo que tostei com especiarias. Pretendo uma cerveja de uns 4% de álcool, com amargor quase nada, para quase supercarbonatar. O aroma na brassagem dá vontade de comer de colher…
Pela primeira vez testo a brassagem com uma rampa, adicionando água para preparar o mosto numa temperatura de 65 graus celsius. Calculei água para base de 3 litros por quilo de malte, com medo de entupir a bazooka, já que tem malte de trigo no meio. Ainda não sei quanto de água terei que adicionar na lavagem para chegar a um Brix 8.0 no início da fervura. Depois testo meu novo sistema de resfriamento com água e depois água gelada num chiller de imersão.
Com uma hora de repouso já dá pra sentir que as enzimas adoram produzir seus açúcares. Tem um cheirinho de amemdoim quando é tostado lentamente no fogão à lenha, como era lá em Medianeira, quando a mãe e a mana Vivi torravam pra depois fazer tortas ou pé-de-moleque e por aí vai. Isso é um espetáculo!
O mosto ficou com brix de 10.2 pontos, então ela não ficará tão fraquinha de álcool como eu pretendia, porém tive uma eficiência extraordinária, pois tenho 12 litros fermentando, o que dá 6 litros por quilo, o que é muito… O trigo deixa o mosto mais opaco, mesmo com toda a recirculação que fiz, interessante.
Agora, na fermentação, misturei dois tipos de leveduras de alta, e to controlando inicialmente para fermentar em torno de 24 graus. A levedura começou a trabalhar hoje às cinco da matina, quando terminei a brassagem, e já tem um cheirinho tão gostoso dentro de casa, que acho que vou fazer almoço…