Enquanto as gigantes brigam pelo dinheiro do seu bolso monopolizando mercados, os cervejeiros e microcervejeiros ainda tentam fugir de uma legislação assassina. Os cervejeiros caseiros, que entendo como aqueles que produzem até 900 a 1200 litros por mês, precisam que o MEI -cadastro de microempresario individual- inclua a opção de cervejeiro/alambiqueiro/viticultor caseiro. Já as microcervejarias precisam que seja liberada a opção pelo Simples Nacional.
Não é possível que nenhum deputado, senador, ou a presidência ainda não tenham percebido que um cervejeiro caseiro que produz, quando muito mesmo, mil litros de cerveja, cozinhando seu malte em panelas, maturando em geladeiras, engarrafando manualmente e muitas vezes reciclando garrafas, não possa ser tratado como são os que fazem compras de companhias de quatro bilhões de reais. Será dificil perceber que os objetivos sao diferentes? A opção no MEI é urgente.
Da mesma forma vivem as microcervejarias, que se organizam como empresas comerciais gerando empregos em maior volume, fixando o indivíduo em sua região, circulando e captando recursos que alteram para melhor seus locais, onde vivem seus proprietários,  e ainda lutam com uma legislação draconiana.

Leia mais no blog desses caras: http://cervejaartesanaldepetropolis.blogspot.com/2011/07/carta-de-florianopolis.html?spref=tw