Moda é passageira, pega carona em conveniências e vontades volúves ou seria voláteis… deixa pra lá, acho que me fiz entender. A cerveja não nasceu antes da comida e isso deve ser de concordância uníssona -lá vou eu misturando searas nos termos, poderia ter escrito simplesmente ‘ressonância uníssona’- pois a primeira bebida que se tem notícia é o leite. Por força das primeiras coisas a garrafa de Oficina e Ofício barbante azul -que continuo jurando de pé junto que é uma Pale Ale- com 5,5% de álcool e IBU 13, o que é pouco pra uma Pale Ale, foi fabricada antes do arroz, muito bem feito por sinal, que está na panela.
Digo mais, fiz o arroz com rodelas de linguiça calabresa com o propósito de não ofender minha cerveja, e se possível, criar harmonia. Essa comida é tranquila de fazer e foi no domingo passado em Curitiba, quando uns amigos meus foram brindados com uma garrafa da barbante azul, sim, fui pão-duro e levei só uma garrafa pra dez pessoas, e por isso servi antes da comida, como que preparando a boca do povo para o prato servido. O porque desse artigo cheio de letras está a seguir.

Como fazer esse arroz gostoso:
1 – Compre uma calabresa dessas grossas e que preste.
2 – Corte ela em rodelas (usei meio quilo pra dez pessoas, dá pra usar umas 700 gramas)
3 – Frite a calabresa numa panela grande.

Depois

4 – Separe a quarta parte numa panela pequena e frite mais um tempo com pimentas. (Isso é pra servir a parte)
5 – A parte maior coloque em outra panela, média.
6 – Tire a casca seca de três cebolas médias/grandes, corte pela metade e pelo comprido, depois vá quebrando a cebola numas três partes, pra ficar com pedaços grandes na panela.
7 – Jogue a cebola em cima da calabresa e cuide pra não queimar muito. Um pouco de queimado é legal porque gera uma espécie de caramelo com a calabresa e a cebola.

Depois

8 – Na panela que iniciou a fritura da calabresa, devolva umas duas colheres de sopa da gordura da calabresa que está fritando com cebola (não mais que isso pro arroz não ficar ensebado), pegue um ou dois dentes de alho e dê um porrada em cima dele pra amassar.
9 – Jogue o alho na panela quente e frite com cuidado pra não queimar senão amarga demais, depois tire o alho frito com casca e tudo.
10 – Coloque um quilo de arroz, frite mesmo pouco e complete a panela (grande) com água no dobro da medida do arroz, deixando a panela em fogo alto até a água esquentar, mas baixando o fogo logo a seguir e temperando com o sal, verifique facilmente experimentando a água.
11 – Corte uns três tomates bem maduros em quatro partes e junte com o arroz.

Depois

12 – Veja se a calabresa está bem fritinha com a cebola em pedaços e não desmanchada (se alguém não come cebola em pedaços grandes, não faça o prato) e coloque numa cumbuca pra servir.
13 – Coloque a calabresa apimentada numa outra cumbuca, menor.
14 – Sirva tudo e deixe os pratos e talheres sobre a mesa e empilhados, porque um prato assim não é rebuscado, tem meio que jeito de fazenda e fica bem com o povo comendo com os pratos nas mãos, já que também não tem nada pra cortar então dá pra usar só o garfo e talvez um pãozinho pra ajudar a juntar a bóia do prato.

A cerveja não precisa ser encorpada pra acompanhar, porque vocês comerão bastante arroz, e a calabresa vai de leve, cada um servindo um pouco no seu prato -se forem todos educados, claro- e aproveitando a informalidade. Esse serviço deu certo com um pessoal lá de Curitiba, que recebeu a namorada e eu de braços abertos. Curti fazer e comer, e eles ficaram animados. Quem armou essa ‘rangada’ foi a Luciana e quem cedeu a casa foi a Emirena. Boa turma.

Bom apetite pra quem se animar a fazer também!

ps: se tiver dúvida, pergunte a um cheff… hehehe. se não achar nenhum, pergunte a mim mesmo pelo oficinaeoficio@gmail.com