Fermentadores cônicos??? Galões de 10 lt adaptados.

Entre um tempo de inauguração na produção e aquele em que temos o tipo de equipamento que nos satisfaz, podemos esperar meses ou anos. Mesmo tendo escrito sobre fermentadores nesse ano num pequeno artigo já revisado, o que se refere a fermento parece não ter fim no mundo das cervejas artesanais. Existem os pesquisadores de leveduras que estudam cepas adaptadas a estilos ou até a climas específicos fora do berço ocidental da cerveja, que é a Europa.

Fermentadores de vidro

Isso está para bem além dos meus atuais objetivos. Penso até que essa via, a dos fungos, do ponto de vista biológico laboratorial, não será minha via de pesquisa na produção de cerveja. Essa escolha se deve primeiro não a menor importância mas sim a suma importância desse fungo e por acreditar que as pessoas que estudam a fundo esses organismos tem muito preparo e dedicam muita técnica focada no seu conhecimento. Tendo fé nos que já fazem esse trabalho, me concentro em outro, mais voltado a minha atividade artesanal. Por enquanto me preocupo e invisto tempo na criação de um bom micro-ambiente para mágica da transformação cervejeira, berço dos fungos saccharomyces cerevisiae, ou seja, os fermentadores.

Fermentadores com galões de água mineral

Ale e Lager, alta e baixa fermentação, temperatura alta e baixa, fermentação na parte de cima e na parte de baixo do mosto. Só isso já é suficiente para pensar antes de produzir a primeira leva. Via de regra, não estressando demais as leveduras com temperaturas demasiadamente fora de seus costumeiros ambientes, qualquer fermentador serve. Agora, se além de cerveja queremos uma que seja boa de beber…

Pois, então, vejamos, a distribuição da sua cerveja é repartir doando, abrindo com amigos, vendendo? Melhorar pode ser um bom caminho para ser aceite, ou apenas para se aceitar, conviver com as próprias expectativas, enfim, nessa procura pela boa qualidade os fermentadores colorem um bom caminho se melhoram a cerveja.

Nessa caminhada em busca do microambiente legal para a levedura encontrei primeiro a sugestão dos ambiente climatizados. Ótimo, funcionam, perfeito, quer reproduzir estilos fielmente, nem leia mais o que escrevo. Invista em equipamentos e fique feliz se conseguir fazer uma cerveja tão boa quanto a dos seus amigos cervejeiros equipados. Eu também gosto de beber essas cervejas e fico muito admirado com a reprodução de uma boa tradição. Sugestão, geladeiras com controladores de temperatura (full gauge) adaptados estão entre as melhores e mais fáceis opões.

Porém, para um produtor artesanal de mínima escala, fermentadores climatizados podem ser um incômodo, uma tralha de pouco uso ou um investimento alto demais.

Assim, desmistificando complexidades para não utilizar controles refrigerados na fermentação:
(Limpeza, isso não tem como mudar, principalmente no fermentador)

1 – Resfrie o mosto na menor temperatura indicada para o estilo, deixe a levedura trabalhar livre aumentando a temperatura do mosto gradualmente.
2 – Controlar o excesso de calor na fermentação não é fácil, mas se houver um canto da casa bem fresco, serve, desde que seja limpo.
3 – Se o fermentador é um balde ou uma bombona que para em pé, em dias de calor ajuda muito colocar ela dentro de uma bacia. A lama do fermento que está no fundo esfria e o mosto se mantém mais fresco. Ainda dá para por gelo e controlar mais.
4 – Bombonas deitadas, por deixarem uma câmara de gás onde a área de evaporação é maior, resultam também num melhor controle da fermentação.
5 – (Essa é difícil de fazer com levas de mais de 20 litros, por causa do peso e o espaço, porém…) Colocar o fermentador por algum tempo na geladeira e depois deixar fermentar fora durante o restante do dia e a noite, também funciona. Mas sua cerveja pode demorar mais para fermentar, pois a levedura não trabalha de forma linear. Dizem os conhecedores que alterar demais as temperaturas em idas e vindas no termômetro, não é bom para o sabor da cerveja.

Sobre fermentação também publiquei outro artigo aqui.