Voltando gradativamente para as atividades depois de quase dez dias com o peito e a garganta arrebentando por uma gripe, resolvi começar pela cabeça, ou seja, pelo lúdico prazer de degustar minhas cervejas mesmo a trabalho.

Essa taça contém a Etílica, um teste de carbonatação* da última leva. Vou falar um pouco bem da minha cerveja.

Ela tem bonita cor, talvez clara para o que se espera para uma strong ale, é uma escolha desse cervejeiro. Ela sai do amarelinho sem escurecer demais o que denota para já a utilização controlada dos maltes especiais, costumeiramente escuros. Lembrando ser uma cerveja de panela, ela não foi muito caramelizada na fervura, quando quero caramelizo e até induzo taninos da casca do malte na mostura. Os maltes especiais foram utilizados em boa variedade mas a quantidade medida com parcimônia dando a ela um espectro bastante grande de aromas e sabores. A espuma, de média persistência, é suficiente para preservar a cerveja durante um bom tempo para a degustação, além de deixar marcas bonitas na taça.

Para quem bebe uma cerveja produzida por mim quero lembrar algumas coisas:
* São puro malte e puro grão
* Não utilizo melhorantes de espuma, de cor, de sabor, de aromas.
* Não utilizo produtos naturais ou não para auxiliar na decantação, nem para facilitar fermentação.
* Não filtro
* Não pasteurizo
* Refermento na garrafa

Saúde a quem estiver bebendo uma cerveja de verdade, meus pêsames a quem está bebendo propaganda!

*Teste de carbonatação = saber se há gás carbônico suficiente na garrafa que está em processo de refermentação.