Fazer

Fazer

Se penso em construir coisas
as pequenas e possíveis
me sinto alegre

Se penso em construir coisas
e estou proibido ou não posso
me sinto infeliz

Se penso em construir coisas
e minhas mãos trabalham
me sinto realizado

Sou feito um verbo
um tipo simples que só sabe viver fazendo.

outro ponto

Que no mundo onde meus passos chegarão

Sem que meus sentidos ensurdeçam

Os que tem a dizer falem

E os estúpidos calem.

Centésima Brassagem

Centésima Brassagem

A primeira brassagem que fiz, minha primeira leva de cerveja, marcou o início de um negócio pensado para unir o máximo de conhecimento que havia reunido em pouco mais de quarenta anos de vida. Claro que não falo de conhecimento cervejeiro, muito menos de produção, mas sim de generalidades, tanto empíricas quanto acadêmicas.100 Meu objetivo, o mesmo atual, fazer uma cerveja simples e honesta.

Agora completei a centésima brassagem*, isso é muito significativo em minha história. Tanto que se essa for a última, sinto um ciclo completo de existência. Sim, pretendo continuar a faina, já disse que essa é possivelmente a atividade que mais me agradou até hoje na vida, no que se refere a fazer coisas para sobreviver e para trocar por coisas que, ou me sustentam ou me alegram.

Contando que comecei com menos que o mínimo de estrutura financeira para iniciar um negócio, precisei e recebi muitos apoios. Direta ou indiretamente, comprando minha cerveja em encomendas no escuro, vendendo por confiança, emprestando dinheiro (alguns sem ainda receber), algumas pessoas tiveram a oportunidade de me auxiliar e fizeram isso. (mais…)

Conto da contemplação

Palavras. Uma profusão de termos ambíguos implodiu o extinto planeta. Juliano olhava desde si até o riacho. O dia normal alegrou a todos. Sabiam da finitude. Só coisas alegres importavam. O filho observou a ladeira que parecia escorregar por debaixo do objeto animado. Sorriu e disse, bola! O pai contemplou a imaterial completude entre o ser e o espaço. Juliano falou com os olhos, felicidade!