A Schin comprou a Eisenbhan, a Kirin comprou a Schin, a Eisenbhan continuou a fazer cerveja boas na linha de entrada dos estilos, ou seja, honestas e com o propósito de iniciar as pessoas aqui no Brasil nesse mundo espetacular da cerveja artesanal. Isso significa que toda macrocervejaria faz isso? Eu penso que não. A Wals foi adquirida, incorporada, comprada, emparceirada, qualquer coisa que seja pela Ambev/Ab-Inbev e eu penso que isso é ruim, diferente do que ocorreu com a Eisenbahn.

Como minha retórica anda muito ríspida, mas principalmente porque o texto é muito bom, vou deixar o link para o artigo do Daniel Barros, cervejeiro caseiro e meu mestre, estudei no antigo blog dele para começar nessa arte. Leiam, reflitam, creio que o texto diz de nós como sociedade muito mais do que apenas as relações de mercado cervejeiro.

http://www.cervejahenrikboden.com.br/10-fatos-sobre-a-ab-inbev/#comment-5578

Saúde!